mustafa-rosemberg

Acalme-se não é hora tristonha,

O mundo é soberano ensina muito,

A vida segue vai e vem, mas risonha,

Se bem muito se perde com atrito.

 

Para toda borrasca há façanha,

Mesclando cores vivas sem conflito,

As intempéries do gênio que sonha,

Tumulto contempla muito contrito

 

Barbas do tempo já enviam desculpas,

Quem sabe como está fidelidade,

Incauta ou disfarçada onda estão culpas?

 

Terra rodeia, sabemos quem tu és.

Acorde, veja está em choro a maldade,

Teu feito é grandioso sem viés.

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.