Após a realização de um laudo técnico (disponibilizado em matéria anterior pelo nosso Site) feito pela empresa Bioconsultoria Ambiental Ltda, contratada pelo Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente (CODEMA) e pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMMA), apontando a necessidade de supressão da Castanheira-do-Brasil devido ao alto risco de acidente para as casas vizinhas, uma comissão do movimento “Revitalizar sim, derrubar não” entrou com um recurso no Ministério Público contra a supressão da árvore.

Nesta terça-feira (19), em Sessão da Câmara de Vereadores, foi usada a tribuna livre para discutir sobre o assunto e apontar os motivos, baseados no laudo técnico, pelos quais há perigo iminente da queda da árvore.

Segundo Jefferson Duarte, representante do movimento contra a supressão da árvore, a intenção do grupo é realizar um segundo laudo para finalmente ter certeza de que a derrubada da árvore é a única solução para evitar acidentes.

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

3 Respostas

  1. Evandro

    Absurda esta decisão!
    Estão brincando com a vida de dezenas de pessoas!
    Imagino que nem quem tomou a decisão nem quem provocou, a mesma, mora na área de risco!

    Responder
  2. Evandro

    Há pouco tempo, na mesma rua em que fica localizada a castanheira, cuja base está apodrecendo, caiu uma outra árvore, bem menor que aquela, mas, apesar disso, causou enorme estrago na rede elétrica, só não aconteceu uma tragédia porque não estava passando nenhum veículo ou transeunte, na localidade, no momento da queda.
    É certo que vivemos tempos do império do egoísmo, só nos preocupamos com nós mesmos e danem-se os outros.

    Responder
  3. Evandro

    Pelo que sei, o Ministério Público não tem o poder de determinar que se faça ou se deixe de fazer alguma coisa, muito menos quando coloca em risco a vida de dezenas de famílias, imagino que esta decisão deveria ter sido tomada pelo Poder Judiciário, que é o Poder da República detentor da jurisdição, se isso realmente ocorreu, há que se pensar em alguma medida junto ao órgão correicional do MP-BA ou CNMP.

    Responder

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.