joice-vancoppenolle

Saber decifrar um rótulo significa conhecer a carteira de identidade de um vinho antes de tê-lo degustado.

O rótulo é o “interlocutor” do comprador, que, frequentemente se encontra sozinho diante de uma grande prateleira de garrafas. Ele garante a autencidade do vinho e permite aos serviços de controle do Estado, verificar sua conformidade com a legislação em vigor.

Uma rápida olhada no rótulo de um vinho mostra se ele é de corpo leve, médio ou encorpado, porque o corpo guarda relação direta com o nível alcoólico.

anuncie_agoraVinhos leves tem uma porcentagem de álcool menor que 12% por volume, os de corpo médio, entre 12% e 13% e os encorpados, excedem os 13%. O Zinfandel da Califórnia imediatamente vem à mente como um exemplo de vinho que geralmente excede os 14% enquanto os Riesling alemães são bem leves, por volta de 9%. A grande maioria dos vinhos do Novo Mundo e um crescente número do Velho Mundo, colocam o nome das uvas em seus rótulos, o que é uma maneira rápida de se dizer qual será o sabor do vinho. Para se certificar de que um vinho é autêntico, aqui vai uma dica infalível: procure pelo país de origem que também deve estar no rótulo.

A leitura do rótulo e, quando ele existe, do contrarrótulo, fornece ao consumidor uma série de informações permitindo-lhe por exemplo, conhecer além da origem do vinho, sua safra, o nome do produtor e engarrafador; saber se se trata de um vinho de propriedade ou de cooperativa. No entanto, é preciso saber que somente menções como “engarrafado em château”, se beneficiam de proteção legal. Outras como “granvin ou viellesvignes” só envolvem o produtor que elaborou o vinho, até mesmo se referem a uma abordagem de marketing. A legislação que rege os rótulos está em perpétua evolução, como ilustram as recentes disposições estabelecidas pela União Européia em matéria de denominação. A possibilidade de introduzir uma regulamentação para o vinhos procedentes da agricultura biológica está igualmente em estudo.

Principais informações do rótulo de um vinho:

Produtor – é quem produz o vinho.

Nome do vinho – indica a marca ou linha de vinhos da vinícola.

Região – indica a procedência das uvas. Principalmente no Velho Mundo é a informação mais relevante, pois revela o estilo do vinho.

País – país de origem.

Safra – ano em que foi feita a colheita das uvas.

Denominação de Origem – identifica que o vinho foi produzido segundo as regras daquela região específica, que variam de país para país.

Uvas – indica a uva ou o corte do vinho. Informação que ganha destaque no Novo Mundo.

Teor alcoólico – graduação.

Durante a escolha do vinho, leve em consideração todos os detalhes descritos no rótulo e então, compartilhe com seus amigos. SAÚDE!

“Quando se trata de vinho eu tenho gosto muito simples: eu sempre escolho o que é melhor.”

Oscar Wilde

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.