amalia-grimaldi

Aqui na Austrália convivem povos de etnias diversas, em relativa ecumênica liberdade, cada um na sua fé. Domingo passado tive a oportunidade de comparecer a uma exposição de trabalhos em fotografia, cujo tema focalizava o trabalho de dois arquitetos mulçumanos no projeto da escultural sede do ‘Australian Islamic Centre’ aqui em Melbourne.

O simbolismo da cor, de acordo o islamismo, ficou bem definido na estética final dessa obra grandiosa. Dourado, por exemplo, significaria a cor do paraíso. Verde, tem a vida e a natureza em geral, crescimento e renascimento, compaixão e bondade, moderação, paz e esperança. Vermelho, na cor do nosso sangue, representaria força, vigor e resistência, vitalidade e ainda um sentimento de prazer e beleza.  Amarelo, calor e vitalidade, unidade coletiva e serenidade intelectual. Azul, seria cor protetiva, representando bondade e esperança. Já o céu, o firmamento, para onde, em desespero muitas vezes olhamos buscando Deus, representaria o pensamento profundo, e o projeto de realização distante. Faz total senso. O mar representaria toda a calma que o ser necessita. Azul-marinho seria a cor de sistemas universais e ainda, a cor de sobrevivência.  Branco consagra a cor do leite, da neve e do algodão, e também das nuvens. É consagrado ao mais alto nível de inocência e pureza, paz e claridade levando à estabilidade do ser. Bonito!

Fiquei imaginando este nosso vasto universo de símbolos, e mergulhada em meus pensamentos não via o tempo passar. Muito gratificante a mensagem. Lembrei-me então do senhor mulçumano, trajado como tal, ele e a família, que também faziam parte do nosso grupo, no ônibus da excursão pelos campos e vinhais de South Austrália, na semana passada. Enquanto os passageiros ansiosos corriam para pegar a melhor mesa no restaurante (próxima ao Buffet….), este senhor calmamente locomovia-se. Vislumbrava-se em sua face uma certa calma sabedoria. Inesquecível. Seria ele um Imã, um religioso mulçumano? Lembrava-me eu a propósito dessa passagem.

O centro islâmico recentemente construído seria talvez a primeira obra de uma mesquita, verdadeiramente contemporânea, erguida aqui na Austrália. Respeitando as convenções do design islâmico histórico, adaptando-se o projeto à cultural e climática condição do meio australiano, criou-se assim, para a nova geração de imigrantes no país, um belíssimo lugar para o exercício de fé, educação e recreação. Levou mais de dez anos para ser concluído. Sem dúvida, representaria uma nova percepção do Islamismo aqui na Austrália. Louvável empreendimento!

*Publicado na edição impressa nº 603, do jornal Valença Agora

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.