Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 90% dos suicídios poderiam ser evitados

Hoje, o suicídio no país já faz mais vítimas que a AIDS e mata mais do que vários tipos de câncer e, mesmo assim, muitas pessoas ainda não discutem o assunto e têm medo de encarar as doenças psicológicas que, muitas vezes, levam à morte.

O movimento do Setembro Amarelo é mundial e ocorre no Brasil desde 2014. Ele tem duração de 30 dias e foi escolhido para acontecer no nono mês do ano, pois o dia 10 de setembro é o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Ele foi trazido ao Brasil pelo CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria).

No Brasil, a cada 100 mil pessoas, quase sete tiraram a própria vida em 2012, segundo a pesquisa mais recente da Organização Mundial da Saúde. Além disso, a OMS afirma que, para cada suicídio, podem ter ocorrido mais de 20 outras tentativas que não deram certo, além de muitas pessoas que consideraram fortemente. Apesar de o País ter uma taxa baixa comparado a nações como a Índia, que passa de 30 casos em 100 mil habitantes, o suicídio é considerado um problema de saúde pública. A boa notícia é que, segundo a OMS, nove em cada dez casos poderiam ser prevenidos por estarem associados a distúrbios de ordem mental diagnosticáveis e tratáveis, principalmente a depressão e a dependência química. Ou seja, 90% dos casos de autoextermínio podem ser evitados, onde houver o diagnóstico dessas patologias, o devido tratamento e a assistência e apoio das redes de cuidado e atenção.

Além dos sintomas característicos das psicopatologias associadas ao suicídio (depressão, transtornos relacionados ao uso de substâncias, esquizofrenia, transtornos de personalidade, etc) é importante acompanhar eventuais mudanças de comportamento que indiquem a tendência ao isolamento social, desinteresse generalizado, angústia e aflição, baixo rendimento escolar ou produtividade. São alguns indícios de que algo pode estar errado.

Entre os fatores de risco associados com o suicídio estão transtornos mentais, como depressão, alcoolismo, esquizofrenia; questões como isolamento social, desemprego, migrantes; questões psicológicas, como perdas recentes, dinâmica familiar; e condições clínicas incapacitantes, como lesões desfigurantes, dor crônica e câncer.

A Campanha Setembro Amarelo tem como objetivo chamar a atenção de todos para esta causa que é o suicídio e, principalmente dizer que é possível preveni-lo, buscando perceber a dor do outro, nos ouvindo mais, dando mais espaço para conversar abertamente sobre a prevenção e as consequências do suicídio.

SET-4

 

MITOS COMUNS SOBRE COMPORTAMENTOS SUICIDAS

Mito1: as pessoas que falam sobre o suicídio não farão mal a si
próprias, pois querem apenas chamar a atenção. Isto é FALSO!

Todas as ameaças de se fazer mal, devem ser levadas muito a sério.
Mito 2: o suicídio é sempre impulsivo e acontece sem aviso. FALSO!

Morrer pelas suas próprias mãos pode parecer ter sido
impulsivo, mas o suicídio pode ter sido ponderado durante algum
tempo. Muitos indivíduos suicidas comunicam algum tipo de
mensagem verbal ou comportamental sobre as suas ideações da
intenção de se fazerem mal.
Mito 3: os indivíduos suicidas querem mesmo morrer ou estão
decididos a matar-se. FALSO.

A maioria das pessoas que se sentem suicidas partilham os seus pensamentos com pelo menos uma outra pessoa, ou ligam para uma linha telefónica de
emergência ou para um médico, o que constitui prova de
ambivalência, e não de empenhamento em se matar.
Mito 4: quando um indivíduo mostra sinais de melhoria ou
sobrevive a uma tentativa de suicídio, está fora de perigo. FALSO!

Na verdade, um dos períodos mais perigosos é imediatamente depois da crise, ou quando a pessoa está no hospital, na sequência de uma tentativa. A semana que se segue à alta do hospital é um período durante o qual a pessoa está
particularmente fragilizada e em perigo de se fazer mal. Como um
preditor do comportamento futuro é o comportamento passado, a
pessoa suicida muitas vezes continua em risco.
Mito 5: o suicídio é sempre hereditário. FALSO!

Nem todos os suicídios podem ser associados à hereditariedade e estudos
conclusivos são limitados. Uma história familiar de suicídio, no
entanto, é um factor de risco importante para o comportamento
suicida, particularmente em famílias onde a depressão é comum.
Mito 6: os indivíduos que tentam ou cometem suicídio têm
sempre alguma perturbação mental. FALSO!

Os comportamentos suicidas têm sido associados à depressão, abuso de substâncias, esquizofrenia e outras perturbações mentais, além de aos
comportamentos destrutivos e agressivos. No entanto, esta
associação não deve ser sobrestimada. A proporção relativa
destas perturbações varia de lugar para lugar e há casos em que
nenhuma perturbação mental foi detectada.
Mito 7: se um conselheiro falar com um cliente sobre suicídio, o
conselheiro está a dar a ideia de suicídio à pessoa. FALSO!

Um conselheiro obviamente não causa comportamento suicida
simplesmente por perguntar aos clientes se estão a considerar
fazer-se mal. Na verdade, reconhecer que o estado emocional do
indivíduo é real, e tentar normalizar a situação induzida pelo stress
são componentes necessários para a redução da ideação
suicida.
Mito 8: o suicídio só acontece “àqueles outros tipos de pessoas,”
não a nós. FALSO!

O suicídio acontece a todos os tipos de pessoas e encontra-se em todos os tipos de sistemas sociais e de famílias.
Mito 9: após uma pessoa tentar cometer suicídio uma vez, nunca
voltará a tentar novamente. FALSO!

Na verdade, as tentativas de suicídio são um preditor crucial do suicídio
Mito 10: as crianças não cometem suicídio dado que não
entendem que a morte é final e são cognitivamente incapazes de
se empenhar num ato suicida. FALSO!

Embora seja raro, as crianças cometem suicídio e, qualquer gesto, em
qualquer idade, deve ser levado muito seriamente.

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.