carlos-magno

Às vezes coisas acontecem que a gente não consegue explicar. Pequenas coisas, grandes acidentes. Dentro da proporção de cada uma das coisas.

Estava sentado em uma manhã dessa semana. Tomei um suco de laranja e comi um pão de queijo. Uma mesa na calçada. Pedi a conta. O rapaz trouxe a notinha. Paguei. Ele veio com o troco. Uma nota de cinco Reais e uma moedinha de dez centavos. A moeda caiu. Eu me levantei para recuperá-la. Procuro daqui, procuro dali e a vi. Estava longe da mesa. Caminhei e a peguei. Coloquei-a no bolso. Segui para casa. Quando cheguei, foi que dei conta. Na faina de procurar a moedinha de dez centavos, deixei a nota de cinco em cima da mesa. Ah, dez centavos caros.

Um amigo meu, há milhares de anos, contou-me um episódio sobre o prejuízo que um alicate lhe deu. Ele vinha dirigindo o caminhão dele, carregado de engradados de garrafas de refrigerante. A estrada não estava em boas condições. Ele desviava daqui. Desviava dali. Era um buraco atrás do outro. Naquele tempo as estradas eram muito ruins. Bom, parece que não mudou muito. Em muitos lugares continuam péssimas.

Pois bem, sobre o console do camihão, estava um alicate. Quando o caminhão virava para um lado, lá ia o alicate. O caminhão virava para o outro lado, lá vinha o alicate. Não caía. Deslizava entre o vidro e o velocímetro. De um lado para o outro. Porém, em uma manobra brusca, bem brusca, o meu amigo viu que o alicate cairia, ali na frente, na cabine. No impulso, ele se inclinou para acudir a ferramenta. Rápido,  levou a mão. A outra, ali, no volante. Desviou os olhos. Pregou-os no alicate. Esqueceu-se da estrada. Caiu em um barranco. Virou o caminhão. Quebrou a clavícula. Teve de pagar as garrafas de refrigerante. Empréstimo no banco. Uma desgraceira. Guadou o alicate de lembrança.O alicate, porque o camihão deu perda total. O alicate mais caro da História.

Tem político que deixa o futuro mais brilhante e foca no ganho nebuloso da corrupção. Acaba-se enrolando nos cabelos das pernas. Já teve um que perdeu o mandato por causa de uma Elba. São histórias de propinas, apartamentos, desvios e tanta coisa. O futuro na História trocado por coisas.Coisas. Coisas de descuidos. Coisas que tiram o sono. O sonho. Coisas. Pesadelos.

 

 

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.