moacir-saraiva
Estamos no ano de 2016, e todos os municípios brasileiros serão movimentados pelas eleições municipais, todos os cidadãos serão chamados a escolher vereadores e prefeitos, aqueles devem fiscalizar o erário e estes gerirem o município.

O povo tem de ver a imprensa, ver televisão, ler jornal, ouvir rádio, mergulhar nas redes sociais a fim de verificar os fatos, confrontar ideias, não beber informações de uma única fonte. A fim de ter um juízo de valor para votar. E ver que o que tem de político incompetente e desonesto é uma festa. Entra um partido no poder e sai, entra outro grupo com muitos partidos e as mazelas continuam, é roubo por todo lado.

Nos últimos quatro anos, um enorme número de prefeitos e vereadores perderam o mandato ou por comprarem votos, ou por falcatrua pesada, e é pouco o numero de caçados, uma vez que o aparato brasileiro para fiscalizar prefeitos e vereadores é muito pequeno, haja visto que muitos são punidos somente no final do mandato e com outros nada acontece.

Um ingrediente que mostra a incompetência ou má fé dos políticos é o fato de não pensarem no futuro e somente nas próximas eleições. Assim como muitos projetos dos presidentes da república e de governadores, não se vêem nas leis e projetos enviados para as câmaras, pelos prefeitos, propostas para o futuro, o que se vêem são apenas projetos para angariar votos para as próximas eleições, infelizmente é o que se vê por todo o país.

Para constatar isso, nos municípios da nossa região com tem sido tratado, ao longo dos anos, a questão da água? A questão do lixo? As margens dos rios ficaram peladas, deixando-as incapazes de dar vida ao rio. É um compadre do prefeito que desmata, é um amigo de um vereador, é um cabo eleitoral e assim vai se matando o rio. Muitas vezes, os municípios criam leis, que filosoficamente favorecem à população, mas quando vão escrevê-la, aí se pensa em não desagradar aos amigos e tudo vai por água abaixo.

Qualquer gestão que quer só agradar, cria problemas futuros até ingovernáveis, ou então, a população paga caro por políticas populistas que determinados dirigentes aplicam. Nem sua própria casa você poderá gerir apenas agradando a filhos, pois é um tipo de política que não contempla a essência do ato de governar, pois se assim o fizer, terá problemas no futuro.

É bom que desde já, o eleitor comece a observar os candidatos, veja a história do sujeito, se é competente no que faz, enfim, o voto é um ato a ser pensado com bastante cuidado.

Parece até que os políticos seguem a cartilha da democracia: governo do povo, pelo povo e para o povo. Resta saber para que povo eles governam, pela forma como eles agem, leva-se a crer que é o povo de cada político – parentes, amigos e comparsas de falcatruas.

O povo brasileiro, este, está dançando.

Se gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.